#16 - A Inquisição nas Américas

01/04/2021

Entre os séculos XVI e XIX, o território que hoje conhecemos por América passou por um intenso processo de exploração colonial. Dentro do projeto de domínio das Coroas Ibéricas sobre as terras apossadas, a religião teve um papel fundamental. Já nas primeiras décadas de presença espanhola e portuguesa, a expansão atlântica da atuação da Inquisição operou como um mecanismo poderoso de controle de práticas cotidianas, relações entre as pessoas e, até certo ponto, das consciências, por meio de uma "pedagogia do medo".

Seja por meio de visitações de funcionários da Inquisição ou pela instalação de Tribunais do Santo Ofício, a instituição operou por quase três séculos, acolhendo denúncias, abrindo processos, investigando e julgando os suspeitos de heresia. Mas quem eram os principais acusados nas Américas? Que tipo de delitos eram denunciados? A Inquisição funcionou aqui exatamente como nos Tribunais de Portugal e Espanha? Como as dinâmicas monárquicas e eclesiais influenciaram na colonização? De que modo se estruturou a instituição inquisitorial nos territórios além-mar?

Para responderem a essas e outras questões, convidamos os professores doutores Yllan de Mattos, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), e Saulo Goulart, da Faculdade Cásper Líbero, grandes especialistas no tema.


Dicas do programa Hora Americana e links

Filme "Os fantasmas de Goya", de Miloš Forman (2007)

Livro "O diabo e a Terra de Santa Cruz", de Laura de Mello e Souza (1986)

Livro "A inquisição portuguesa e a sociedade colonial", de Sonia A. Siqueira (1978)

Livro "Cristãos Novos na Bahia", de Anita Novinsky (1972)

Livro "Las guerras invisibles", de David Tavárez Bermúdez (2011)

Livro "De pícaros y mal queridos", de Sonia Corcuera de Mancera (2009)

Livro "Los indios ante los foros de justicia religiosa en la hispanoamérica virreinal", organizado por Jorge E. Traslosheros e Ana de Zaballa Beascoechea (2010)

Livro "Páscoa Vieira diante da Inquisição", de Charlotte De Castelnau-l'estoile (2020)


Conheça nossos entrevistados

Saulo Goulart é doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Desenvolveu pesquisa junto às principais instituições de fomento científico do país, tais como FAPESP, CNPq e Capes. Também trabalhou em âmbito internacional vinculado ao Colégio de México (COLMEX) como pesquisador temporário. Atualmente, encontra-se vinculado ao corpo de professores da Faculdade Cásper Líbero, atuando nas áreas de História Contemporânea e História do Brasil Contemporâneo. Dedica-se, também, à divulgação científica, ministrando cursos no amplo aspecto da disciplina histórica.


Yllan de Matos é Professor Adjunto no Departamento de História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus de Seropédica. Possui licenciatura e bacharelado em História pela Universidade Gama Filho (2004), pós-graduação (lato senso) em História Moderna pela Universidade Federal Fluminense (2006), mestrado em História Social, setor temático de História Moderna, na Universidade Federal Fluminense (2009), e doutorado em História Moderna na Universidade Federal Fluminense (2013). Tem experiência docente e de pesquisa na área de História, com ênfase em História Moderna, História do Brasil e Ensino de História, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Inquisição, Religião, Religiosidade, Clero, Justiças, História do Livro, Educação e Avaliação Escola.